>Comitê Estratégico >Painel Científico para a Amazônia >Literatura científica >Notícias >Imprensa >Siga-nos >Contato >Sobre Nós

Painel Científico
para a Amazônia

Ciência para uma Amazônia Sustentável

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo. Mais de 10% das espécies conhecidas de animais e plantas coexistem lá. Em apenas um hectare de floresta, há uma variedade maior de árvores do que em toda a América do Norte. Em apenas uma dessas árvores, é possível encontrar a mesma quantidade de espécies de formigas que há em todo o Reino Unido.

A Bacia Amazônica contém mais de 2.300 espécies de peixes, um número maior do que em todo o Oceano Atlântico. Aproximadamente um sexto da água doce do planeta flui através de seus rios e córregos. A floresta Amazônica também é um amortecedor contra as mudanças climáticas; ela regula a variabilidade climática e armazena cerca de 130 bilhões de toneladas métricas de carbono, correspondente a mais uma década de emissões globais de dióxido de carbono.

Hoje, esses ecossistemas que cobrem mais de 7 milhões de quilômetros quadrados estão ameaçados pelo desmatamento, por incêndios, mineração, exploração de óleo e gás, grandes barragens para geração de energia hidrelétrica e por invasões ilegais. Uma área florestal do tamanho de Luxemburgo foi perdida apenas no mês de julho de 2019, devido a incêndios.

Nós, cientistas da Amazônia e que estudamos a Amazônia, nos reunimos sob os auspícios da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (Sustainable Development Solutions Network, ou SDSN), para contribuir com nosso conhecimento e experiência para a realização de uma avaliação científica sobre o estado dos diversos ecossistemas da Amazônia, assim como sobre mudanças climáticas e no uso da terra, e suas implicações para a região.

O Relatório do Painel Científico para a Amazônia (Science Panel for the Amazon, ou SPA) - previsto para o primeiro semestre de 2021 - será o primeiro relatório científico realizado para toda a Bacia Amazônica e seus biomas. O relatório solicitará que governos, empresas, sociedade civil e todos os habitantes do planeta implementem as recomendações do relatório e ajam em conjunto pela conservação e desenvolvimento de uma Amazônia sustentável.

O que acontece no mundo, afeta a Amazônia; e o que acontece na Amazônia, afeta o mundo. O bem-estar daqueles que habitam o planeta hoje e das gerações futuras depende de sua conservação. Apelamos à consciência da humanidade para salvá-la. Ainda temos tempo para agir.

BACIA
Amazônica

10     
Considerações-chave
    para salvar
a Amazônia  

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.



Galeria:
um olhar de Dentro

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.

Galeria:
reconhecendo um
Território

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.

Galeria:
a Amazônia
Diversa

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
Uma imensidão ameaçada

Formada há mais de 30 milhões de anos, a Amazônia é habitada por povos indígenas há mais de 11.000 anos. Seus limites cobrem quase 7,5 milhões de km2 - cerca de 12 vezes o tamanho do estado do Texas e 28 vezes o tamanho da Itália - e se estendem pelos territórios de oito países: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Venezuela e de um território nacional, a Guiana Francesa.

Cerca de 5,5 milhões de km2 de seu território é coberto atualmente por florestas. 35 milhões de pessoas vivem na região, incluindo populações indígenas e tradicionais que falam 330 idiomas diferentes.

O desmatamento e a degradação florestal não são apenas um problema ambiental. Evidências estatísticas mostram que os homicídios aumentam com o desmatamento, devido ao violento processo de apropriação de terras e de deslocamento das comunidades tradicionais. O desmatamento também intensifica a propagação de doenças.

Na maioria dos países da Amazônia, as máfias internacionais de narcotráfico, extração ilegal de madeira e mineração ilegal causam grande sofrimento e contribuem para o tráfico de seres humanos, trabalho forçado e assassinato.

SAIR
DO
MAPA

Informações obtidas em www.mapbiomas.org

10      
Ações   
    para conservar
a Amazônia  

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.





Galeria:
a floresta tropical
em chamas

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.

Galeria:
uma intervenção insustentável

La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.
La soberanía
de la Amazonía
es intocable.

Galeria:
uma rede de comunicação indígena

INFO

1. Promover a gestão com base em evidências científicas

Garantir a sustentabilidade da Amazônia requer decisões baseadas em ciência, que considerem o conhecimento tradicional dos povos indígenas e das comunidades tradicionais. É imperativo desenvolver uma agenda para a ciência, tecnologia, inovação e investimento que promova uma economia baseada na natureza, nas florestas em pé, e em rios fluindo, e que considere novas oportunidades para empresas nas áreas de sistemas agroflorestais sustentáveis, silvicultura de espécies nativas, agricultura regenerativa, pesca, mineração sustentável e ecoturismo.

INFO

2. Parar e controlar a propagação de incêndios florestais

Para evitar a degradação florestal, é necessário controlar os incêndios, usando intervenções baseadas em evidências e em técnicas de monitoramento quase em tempo real. É uma prioridade prevenir e combater a extração ilegal de madeira e restaurar áreas que perderam a maior parte de suas florestas, de modo a garantir a conectividade da biodiversidade, reduzir os impactos das mudanças climáticas, e reduzir o risco de atingir um ponto de inflexão além do qual grandes áreas florestais sofreriam com o efeito de savanização.

INFO

3. Acabar com o desmatamento e as mudanças no uso da terra

Essas medidas devem abranger a extração de madeira, a mineração, a agricultura e a pecuária, de acordo com os códigos nacionais existentes. Subsídios e outros incentivos indiretos para atividades predatórias devem ser eliminados, e o acesso ao crédito público e à cooperação internacional para o desenvolvimento devem ser reduzidos para desmatadores ilegais e empresas que se beneficiam diretamente ou compram produtos de áreas desmatadas ilegalmente na Amazônia.

INFO

4. Financiar agências fiscalizadoras

É essencial que haja financiamento às agências nacionais de monitoramento, fiscalização e acompanhamento, recebendo apoio financeiro internacional conforme necessário e solicitado. Também é necessário aumentar o apoio à implementação da legislação existente sobre uso da terra, posse da terra e direitos humanos. Não é possível haver sustentabilidade sem o cumprimento da lei.

INFO

5. Revisar o impacto ambiental dos projetos de infraestrutura

É essencial avaliar o potencial impacto ambiental de projetos de grande escala antes de seu desenvolvimento. De acordo com a Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (RAISG), 68% das terras indígenas e áreas naturais protegidas da região estão sob pressão de estradas, mineração, barragens, extração de petróleo, incêndios florestais e desmatamento.

INFO

6. Fortalecer códigos e padrões florestais

Existe uma necessidade urgente de atualizar códigos e leis florestais em todos os oito países da Amazônia e na Guiana Francesa, com base em recomendações científicas, proteção constitucional dos direitos humanos e sustentabilidade ambiental, de acordo com os regulamentos nacionais e internacionais.

INFO

7. Financiamento internacional em larga escala

A reativação e expansão do Fundo Amazônia requer pelo menos 1 bilhão de dólares por ano para co-financiar pesquisa e inovação científica, conservação florestal, restauração de terras degradadas, serviços de armazenamento de carbono, restauração de água doce, monitoramento comunitário, manejo sustentável de florestas tropicais e de sua biodiversidade, e para fortalecer as capacidades educacionais na região para a ciência Amazônica.

INFO

8. Proteger os povos e as comunidades indígenas

É vital proteger os povos e as comunidades indígenas contra atividades ilegais, não autorizadas ou não documentadas, como a apropriação de terras, extração de madeira, mineração, agricultura, pecuária, e todos os atos de violência e crimes de ódio contra os povos indígenas e comunidades tradicionais, assim como acelerar e concluir de forma precisa todas as demarcações pendentes de terras indígenas.

INFO

9. Certificar cadeias de suprimentos

As cadeias de suprimentos de soja, café, carne, madeira, produtos florestais não madeireiros e de minerais originários da Amazônia devem ser certificadas em conformidade com os acordos nacionais e internacionais de sustentabilidade, e os dados sobre as empresas envolvidas nas cadeias de fornecimento global (incluindo países não amazônicos) devem ser disponibilizados para o público.

INFO

10. Expandir o monitoramento científico

A proteção e expansão do monitoramento científico das condições da floresta amazônica em tempo real (incluindo dados de satélite, sensoriamento remoto e observações in loco) são essenciais para permitir a implementação de um sistema de alerta precoce para rastrear os riscos para as florestas e rios.

Riqueza magnífica em extinção

Nos primeiros oito meses de 2019, houve mais de 45.000 incêndios na Amazônia brasileira. O mundo inteiro assistiu alarmado enquanto a floresta queimava.

A cada ano, o desmatamento intensifica ainda mais seu curso devastador. Em 2019, mais de 1,7 milhões de hectares de floresta primária da Amazônia foram perdidos na Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador e Peru, segundo dados do MAAP, que monitora grande parte da Amazônia. E durante os primeiros seis meses de 2020, o desmatamento no Brasil aumentou 26% em relação a 2019, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE.

A Amazônia é o lar de pelo menos uma em cada dez espécies conhecidas na Terra e de um número incalculável de microorganismos. À medida que os humanos a invadem, os reservatórios naturais de vírus e patógenos são destruídos, e a floresta pode se tornar uma fonte potencial de futuras pandemias.

A Amazônia como um todo está muito perto de atingir um ponto de inflexão e colapso. Algumas das áreas devastadas por incêndios e desmatamento levarão décadas para se recuperar. Outras podem levar séculos. Se não agirmos rapidamente, em 30 anos quase metade das espécies de árvores poderá desaparecer. Ainda temos tempo para agir!

>Comitê Estratégico >Painel Científico para a Amazônia >Literatura científica >Notícias >Imprensa >Siga-nos >Contato >Sobre Nós
Orientation